segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Comer, rezar, amar

Comer, rezar, amar
Elizabeth Gilbert (Objetiva, 2008)

Ganhei esse livro de uma amiga que não poderia ser mais especial - porque gostamos uma da outra desde que começamos a trabalhar juntas, em 1995, porque depois ela se casou com meu irmão, porque ela é mãe da minha sobrinha e porque, no começo do ano passado, ela terminou correndo de ler esse livro no carro, a caminho do aeroporto, só pra poder me dar de presente. E, mesmo apressada, escreveu uma dedicatória linda.

Tentei começar a ler ainda no avião, antes que os tarja-preta me derrubassem; não deu tempo. Tentei ler assim que cheguei em casa; não rolou. Acho que o momento era errado. Eu estava triste e sem rumo demais pra encontrar conforto na história de uma mulher que, também triste e sem rumo demais, arrumou as malas e tirou um ano sabático pra viajar pelo mundo - eu não podia fazer aquilo e, de todo modo, duvido que tivesse adiantado; tudo o que eu queria era voltar pra casa, me encolher debaixo das cobertas e ficar quietinha no meu canto. Pouco depois o livro foi traduzido e lançado em português, e virou um desses fenômenos com jeito respeitável mas que, dá pra sacar, as pessoas leem como auto-ajuda. Ou melhor: como história edificante e inspiradora. Peguei birra. Uma pena, porque minha amiga não faz o gênero auto-ajuda e eu gostaria, sim, de ler a experiência de alguém nos lugares por onde Elizabeth Gilbert passou. Quem sabe um outro dia.

6 comentários:

Mari Mello disse...

Hei, Isabel! Feliz 2009. Tanta gente já me falou desse livro... Mas ele tem cara mesmo de auto-ajuda, também não tive vontade de ler ainda. Tenho uma amiga que fez esse esquema de viajar pelo mundo para "dar um tempo" e, sério, ela está cada vez pior. Se vc ler e curtir, me avisa. Um beijo grande, Mari Mello. Ro manda beijos.

Isabel Pinheiro disse...

Mari, queridíssima, talvez não seja essa auto-ajuda que a gente imagina... É que pra mim o momento foi totalmente errado, você lembra que eu ainda estava catando os pedaços ano passado.
Tenho acompanhado a reforma, de longe, pelo blog. Você tá mandando muito bem!
Beijão aos dois. Quando vierem pro lado de cá da cidade outra vez, precisamos almoçar!

Arnaldo disse...

Que delicia de blog. Só livros. Dá vontade de ficar lendo o tempo todo (o blog e os livros). Mas é preciso ir com calma. Aos poucos vou saboreando.

Isabel Pinheiro disse...

Arnaldo, muito obrigada e seja bem-vindo! (Que, até onde eu sei, manteve o hífen.) Abraço, Isabel

Anônimo disse...

Também já vi o livro, já abri na livraria, mas não completei a ação de trazer, acho que meu momento tb é outro.
beijo,
clara lopez

Isabel Pinheiro disse...

É como O Passado, Clara. Ainda não chegou o meu tempo de ler o Alain Pauls... Beijos