domingo, 12 de abril de 2009

Organize-se

Organize-se
Donna Smallin (Gente, 2004)

Isso tem acontecido com frequencia: eu acordo no meio da noite, o pensamento que não dá trégua, rolo na cama de um lado pro outro sem conseguir dormir de novo. E aí durmo picadinho, um sono cansado, e acordo mais cedo do que pretendia. Hoje não foi diferente. Mas, em lugar de ficar virando na cama - ou de, loucura, levantar e ligar o computador, como às vezes faço -, resolvi ler alguma coisa entediante pra ver se o sono voltava.

Que nada. Redescobri esse livro, perdido na estante, engatei na leitura e mal vi a hora do dia amanhecer pra eu começar a botar ordem nas minhas gavetas. Não sou tão desorganizada assim - mas só passei a acreditar de verdade nisso quando as pessoas começaram a elogiar minha capacidade de organização no trabalho. Eu tento manter isso também aqui em casa, nem sempre com resultados muito duradouros. Mas há uma certa graça na arrumação periódica. Hoje, já decidi, vai ser a cozinha, assim que acabar o almoço de Páscoa e que meus convidados me deixarem sozinha com a pia de louça suja - eu adoro lavar louça.

Organize-se é mesmo um bom livro de orientação para quem quer colocar ordem na casa e não sabe por onde começar. A autora divide os capítulos em cômodos: cozinha, sala, quartos, banheiro, escritório, e ainda dedica espaço para falar da organização das finanças e do tempo. Cheio de dicas tipo "faça você mesmo" e conselhos de especialistas, é o livro que eu daria de presente pra muita gente que ainda não descobriu que o conforto organizado é muito melhor que a bagunça sem controle.

2 comentários:

Barros disse...

Desculpe por entrar assim, sem ser convidado, mas quando li sobre essa situação de acordar de madrugada com o pensamento que não dá trégua, tive vontade de fazer um comentário sobre esse estado que tem sido recorrente para mim também. Durante este período, parece que fico extremamente inspirado a escrever, mas o dever de dormir para acordar cedo no dia seguinte para trabalhar fala mais alto, e aí, no dia seguinte, quando tento lembrar os textos que me vieram à cabeça, fico perturbado com a memória confusa que resultou de tudo que me foi tão claro e belo no confuso acordar e despertar.
Gostei do seu modo desse seu espaço - temas interessantes e bem escritos.

Isabel Pinheiro disse...

Olá, Barros, obrigada e bem-vindo! Pois é. Eu deixo um caderninho à mão, ao lado da cama, para esses momentos de insônia. Mas nem sempre adianta, porque nem sempre dá coragem de acender o abajur, pegar a caneta, começar a escrever. E no dia seguinte, é batata: os pensamentos criativos foram todos embora.
Um abraço,