quinta-feira, 9 de abril de 2009

Conforte-me com maçãs

Conforte-me com maçãs
Ruth Reichl (Objetiva, 2003)

Eu detestei esse primeiro livro autobiográfico de Ruth Reichl, a ex-todo-poderosa crítica de gastronomia do The New York Times e atual todo-poderosa editora da revista Gourmet. De alguém que se tornou famosa e respeitada por suas avaliações e comentários sobre comida, eu esperava uma obra mais eletrizante, com bastidores do trabalho e mais voltada ao assunto que transformou sua carreira. Não: em lugar de jantares maravilhosos e gafes culinárias, Ruth Reichl passa quase que o tempo todo falando do casamento dela com um marido problemático, o tempo em que viveram numa comunidade meio riponga, o caso dela com um colega de trabalho e a descoberta de um novo amor.

Mas aí veio o Demian e disse que eu li tudo errado, que esse livro é ruim mesmo, e bom é o Alho e Safiras - que ele levou hoje, emprestado para mim. É nesse segundo volume de suas memórias que Ruth escreve sobre a época em que foi crítica do NYT e frenquentava restaurantes à paisana para depois confrontar a mesma refeição servida quando estava disfarçada. Sim, disfarçada. A mulher mudava figurino, usava perucas, fazia outra voz, tudo para não ser reconhecida no restaurante. Deve ser, mesmo, mais interessante que Conforte-me com maçãs (que título, hein?) - mas que, pelo menos, traz uma ótima receita de massa com limão, à moda de Danny Kaye.

4 comentários:

Kovacs disse...

Isabel, tenho que confessar que fico francamente perplexo pelo volume de material que você consegue ler e publicar por aqui. Sou seu fã incondicional, nem preciso dizer não é?

Isabel Pinheiro disse...

Oi, Kovacs, obrigada! Eu leio rápido. Mas esqueço mais rápido ainda. O blog, quem sabe, vai ajudar minha memória a reter mais lembranças dos livros que leio. E muita coisa é antiga, como você pode ver. De qualquer forma, tem sido uma experiência bacana falar dos livros que li e relacioná-los a alguns fatos da minha vida.
Um grande abraço!

Demian disse...

Isabel, cara.

Você me interpretou mal. O Conforte-me com Maçãs não é ruim não. Só não tem esses jantares e essas gafes que você procurava. Esse Alho e Safiras, por outro lado, é diversão garantida!

Boa leitura. Bjs.

Isabel Pinheiro disse...

Ruinzinho, ruinzinho, e eu tô lá interessada na vida amorosa da Ruth Reichl? Beijos!