domingo, 6 de dezembro de 2009

Sala dos homicídios

Sala dos homicídios
P.D. James (Companhia das Letras, 2004)

O nome em português não ajuda muito - "Murder Room", o título original, não só é mais sonoro como direciona toda a trama para um lugar crucial, a sala dedicada a vários crimes famosos do período entre-guerras, instalada num museu próximo a Londres. Bem, o Museu Dupayne não existe de verdade, como explica P.D. James no prefácio. Mas todos os assassinatos explorados no "murder room" aconteceram realmente e estão registrados na Scotland Yard. É para lá, desta vez, que se dirige a investigação de Adam Dalgliesh, o detetive-poeta que, como eu já disse, só não roubou meu coração porque já sou apaixonada por Jean-Baptiste Adamsberg.

Gostei bem mais deste livro do que de Paciente particular, o mais recente título de P.D. James e minha estreia na obra da escritora. Primeiro porque Dalgliesh parece mais humano e simpático. Depois, a trama de mistério me agradou mais: começa com um incêndio criminoso, segue com uma série de interrogatórios que coloca todos os suspeitos sob a luz negativa da antipatia, não dá uma palhinha de quem pode ter cometido os assassinatos (ou melhor, até dá; mas esse é o tipo de leitura rápida em que a gente não presta muita atenção quando lê, mesmo) e traz aquele tipo de suspense que me faz prender a respiração e pensar coisas como "não, P.D. James, você não seria capaz de matar meu personagem favorito, seria?" - e como você sabe que sim, ela seria, fica na maior torcida pra alguma coisa acontecer na última hora e salvar seu personagem favorito de um triste fim.

Mas realmente não é uma boa ideia começar a ler as aventuras de Adam Dalgliesh de trás para frente. Paciente particular, o mais recente, é o 14º da série; Sala dos homicídios é o 12º. Só que agora resolvi ler policiais no Kindle, porque fica muito mais barato e não ocupa espaço aqui em casa, e nem tudo está disponível para o formato. Bem, A certain justice, o 10º, está. Vai ver é assim que eu preciso ler P.D. James, de dois em dois livros, do fim para o começo.

8 comentários:

patiinhu disse...

..vlw a dica!




=)

Mulher na Polícia disse...

Pois é... livro policial cuja história se passa em Londres. Esses dias precisei tanto de uma dica nesse sentido.

"Elementar meu caro Watson".

Parece ser bom mesmo.

Thiago Maia disse...

Isabel, faltou comentar um aspecto importante da obra de P. D. James, quando postei aqui sobre Adam Dalgliesh meses atrás, e a hora é apropriada:

Trata-se da "pequena série de dois" romances policiais com a personagem detetive-amadora Cordelia Gray (no Brasil já foi publicado "Trabalho impróprio para uma mulher", e deve sair em março, também pela Companhia das Letras, "O crânio sob a pele". Ambas são segundas edições, pois os livros já tinham sido publicados há décadas pela Francisco Alves, também pioneira quanto ao detetive poeta). Não li nenhum, mas são muito elogiados na Amazon, por exemplo, assim como o título dela, fora de qualquer série, "Sangue inocente" (também policial, também elogiadíssimo e já filmado com certa pompa, e mais um ponto para a Francisco Alves no Brasil - e contando).

Aliás, achei interessante que, ao que parece, tanto em "Um trabalho impróprio para uma mulher", como em "Sangue inocente", Dalgliesh faz pontas. E também já li que nos últimos casos de Dalgliesh Cordelia foi citada como remetente de flores para o cara.

Um abração.

Thiago Maia disse...

Errata: "The skull beneath the skin" foi na verdade publicado no Brasil pela Record (e reimpresso com capa ridícula pela Nova Cultural), com o nome "A máscara da caveira".

Ah, e a primeira aparição de Cordelia Gray, pela Francisco Alves, chama-se "Uma profissão muito perigosa" : )

Anônimo disse...

Olá, Isabel, você desistiu do blogue? Desista não, querida, volte a comentar seus livros tão interessantes :)
um abraço,
clara lopez

Isabel Pinheiro disse...

Querida Clara, não desisti, mas a vida tem me atropelado de tal maneira que anda impossível escrever sobre o que tenho lido - e olha que li bastante nos últimos meses, nem tudo interessante, mas muita coisa. Vamos ver se hoje sai alguma coisa...

Um grande beijo

Isabel Pinheiro disse...

Thiago, desde que deixei o blog em suspenso li outro P.D. James: "Unnatural causes". Admito que não gostei muito - vou ver se escrevo sobre o livro, em breve.

E tenho muita curiosidade por essa série da Cordelia Gray. Agora, o que estou louca pra ler, mesmo, é o "Talking about detective fiction" (http://www.amazon.com/gp/product/0307592820/ref=oss_product), que saiu em fevereiro e que meu irmão vai me mandar em breve (espero!) dos Estados Unidos. Adoro ler autores falando sobre suas obras, ainda mais policiais. Parece que tem um da Agatha Christie, no mesmo gênero, mas ainda não encontrei.

Bjs

Thiago Maia disse...

Unnatural causes eu nunca li, Isabel. Um abração.